segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Salton e Bauducco se unem para kit especial de final do ano



Família Salton e a Bauducco, que estão sempre presentes nas festas de final de ano de muitas famílias, celebram Natal e Ano Novo com uma saborosa parceria. As duas marcas, ambas familiares, lançam o Kit Salton (R$ 69,90), que inclui um espumante Moscatel e um Panettone Bauducco Tradicional de 1 kilo. Feito com uva Moscato, esse espumante tem aroma de pêssego em calda, notas de flores brancas e chá preto e é ideal para acompanhar um pedaço do tradicional Panettone Bauducco, receita de fermentação natural de 65 anos e que leva frutas cristalizadas em sua preparação, sendo o kit uma boa pedida para presentear.

A novidade pode ser encontrada na loja online da Bauducco ao preço sugerido de R$69,99.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Nazca desenvolve creme vegano 2 em 1 para cabelos lisos e cacheados



A Nazca Cosméticos acaba de lançar as primeiras versões 2 em 1 de creme para os cabelos da linha Origem. Para garantir praticidade no dia a dia, os itens podem ser usados como creme de pentear ou para a hidratação de fios lisos e cacheados.  

Os produtos são veganos e livres de substâncias como parabenos, petrolatos, parafina, óleo mineral e silicone, rotuladas pelos consumidores como “proibidões”.  

Desenvolvidos com ingredientes que garantem vitalidade aos cabelos, os itens ganharam embalagem tamanho família. Os potes de 1 kg contam com uma roupagem criativa e moderna, com uma linguagem clara e divertida, como forma de aproximar ainda mais a marca dos consumidores. 

Creme para cabelos cacheados


O creme para cacheadas, se usado como hidratante, alinha os fios e combate o ressecamento, dando mais vida e deixando os fios super hidratados. Quando utilizado para pentear, ajuda a definir e modelar os cachos. 













Creme para cabelos lisos


O pote para lisas, quando usado para hidratação, auxilia na redução do frizz e garante mais alinhamento aos cabelos. Como creme de pentear, ajuda a desembaraçar sem pesar os fios.

Se a opção for usar como creme de hidratação, basta aplicar nos cabelos após a lavagem em toda a extensão dos fios, massageando e desembaraçando os cabelos. A indicação é deixar o produto agir entre 3 e 5 minutos, enxaguando bem em seguida. Como creme de pentear, deve-se aplicar o produto por toda a extensão dos fios ainda úmidos e em seguida penteá-los normalmente, sem necessidade de enxágue. 

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

SAÚDE - Complicações do diabetes: conheça cada uma delas


14 de novembro é o Dia Mundial do Diabetes

Quando mal controlado, o diabetes pode levar a sérias complicações na saúde por causa das altas taxas de glicose no sangue. Entre as principais decorrências desse controle ineficiente estão a doença renal, a retinopatia e as complicações com pés e membros inferiores.

Doença renal – “Os altos níveis de açúcar fazem com que os rins filtrem muito sangue, sobrecarregando os órgãos e levando moléculas de proteína para a urina, a chamada microalbuminúria. Quando esses resíduos ficam muito tempo acumulados no sangue, os rins perdem sua capacidade de filtragem”, explica Dr. Marcio Krakauer, médico da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo - SBEM-SP.

Entre os sintomas mais comuns da doença renal estão inchaço, perda de sono, falta de apetite, dor de estômago, fraqueza e dificuldade de concentração. A recomendação é que todo diabético faça pelo menos uma vez por ano o exame que pesquisa a microalbuminúria.

Para evitar a doença renal, o diabético tem de manter sob controle sua taxa glicêmica, além de cuidar da pressão arterial por meio de perda de peso, menor quantidade de sal na alimentação, evitar álcool e tabaco e fazer exercícios regulares.

Retinopatia – o diabético está mais sujeito a problemas nos olhos, entre eles, a cegueira. Pessoas com diabetes têm 40% mais chance de desenvolver glaucoma, que é a pressão elevada nos olhos, e 60% mais chance de desenvolver a catarata, que ocorre quando o cristalino (a lente clara do olho) fica opaco, bloqueando a luz.

Todos os problemas de retina causados pelo diabetes são chamados de retinopatia, podendo apresentar entre os sinais: visão embaçada, flashes de luz no campo de visão, perda repentina de visão e manchas na visão.

O tipo mais comum da retinopatia é o não-proliferativo, que é quando os vasos sanguíneos atrás do olho incham, formam bolsas e ficam bloqueados. Quando esses vasos ficam totalmente obstruídos e não levam mais oxigênio à retina trata-se da retinopatia proliferativa, muito mais grave.

O tratamento da retinopatia tem mostrado avanços com as técnicas de fotocoagulação, o laser e a vitrectomia, mas cabe ao paciente monitorar a saúde ocular pelo menos uma vez ao ano, já que nem sempre a doença apresenta sintomas. “Cerca de uma em cada quatro pessoas com diabetes têm retinopatia em algum momento da vida. Novamente, o controle constante do diabetes é fundamental para evitar qualquer complicação com a saúde dos olhos”, ressalta Dr. Krakauer.

Pés e membros inferiores – o diabetes pode causar danos aos nervos do pé e má circulação. Formigamento, dor, sensação de ardência ou picada, perda de sensibilidade são alguns dos sinais. “Muitas vezes o diabético pisa em algum material cortante, mas nem sente o corte, pois não há sensibilidade alguma nos pés, o que é muito sério, pois o machucado pode infeccionar e até levar à amputação”, conta Dr. Krakauer.

Pele ressecada e rachadura nos pés também são comuns, além do aparecimento de calos. Os médicos recomendam massagear os pés com cremes hidratantes, porém com cuidado para não deixar resíduos entre os dedos, pois a umidade favorece proliferação de fungos e infecções.

Existem limpezas e proteções especiais aos pés e é recomendado o uso de pedra pome nos pés ainda úmidos para o diabético que tiver muitos calos, mas sempre com aplicação de um creme hidratante indicado pelo médico.

“O cigarro prejudica ainda mais a circulação, já comprometida pelo diabetes, além da pressão alta e colesterol descontrolado. É possível evitar uma série de complicações advindas do diabetes com a adoção de hábitos de vida saudáveis e consultas regulares ao médico”, conclui Dr. Krakauer.

Recomendamos para você a leitura também deste post sobre diabetes e cuidados com a pele.

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Apimente sua vida: Brigadeiro Gourmet com Pimenta Vermelha e Perfume Cítrico

Bora curtir um brigadeiro com muita energia e sabores deliciosos? Confere, então, a receita do chef Henrique Escabia para a marca Sabor das Índias (aquela que tem várias versões de geleias e molhos com pimenta) .



Receita - Brigadeiro Gourmet com Pimenta Vermelha e Perfume Cítrico 
Chef Henrique Escabia para a Sabor das Índias

Tempo de Preparo: 15 minutos
Dificuldade: Fácil
Rendimento: 8 Porções
Utensílios: Tabua, faca, caçarola pequena

Ingredientes Brigadeiro
Leite condensado 395g (1 lata)
Manteiga sem sal 20g (1 colher de sopa)
Chocolate meio amargo 300g (2 barras pequenas)
Creme de leite 200g (1 caixinha, pode usar o fresco também na mesma quantidade)
Pimenta vermelha sem semente 30g (1 unidade média)
Licor fino de laranja 40 ml (2 colheres de sopa, dependendo da marca, pode ser que precise de mais para o aroma aparecer)
Pode ser servido com frutas cítricas como morangos, uvas, abacaxi, carambola, junto com sorvete de creme.

Modo de Preparo 
  1. Coloque na caçarola o leite condensado, a manteiga, o chocolate meio amargo picado e leve ao fogo. Mexa até que comece a descolar do fundo da panela, ponto de brigadeiro mesmo. Desligue o fogo.
  2. Acrescente a pimenta picada sem semente em cubinhos pequenos e o licor de laranja. Mexa bem.
  3. Por último acrescente o creme de leite e mexa até que fique homogêneo.
Se quiser que fique mais mole, acrescente um pouco mais de creme de leite.

Montagem
Sirva em potinhos como brigadeiro de colher ou coloque em potinhos de sobremesa o brigadeiro, uma bola de sorvete e a fruta que desejar picada por cima.

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Vitalidade da Pele: Vitamina C e formação de colágeno



Por Daniel Magnoni *  

O envelhecimento é um processo natural, marcado por diversas mudanças que se iniciam logo na segunda década de vida. Dentre as inúmeras modificações, um dos primeiros marcadores visíveis durante este processo é o envelhecimento da pele. Com o tempo, a camada cutânea sofre o efeito tanto de fatores internos, em razão da própria degeneração estrutural da derme, mudanças hormonais e acúmulo de radicais livres; como também de fatores externos, devido a exposição aos raios ultravioletas, poluição e tabagismo.  

Todas estas condições refletem diretamente no aspecto da pele, trazendo alterações como diminuição da espessura, extensibilidade e elasticidade, além do aumento da rigidez. Um dos principais motivos decorrente destas mudanças é a diminuição da produção de colágeno pelo organismo, que possui sua quantidade reduzida devido ao envelhecimento cronológico da pele e decréscimo das células responsáveis por sua síntese. 

No geral, o colágeno é uma das proteínas mais abundantes do corpo humano, respondendo a quase 30% do conteúdo total de proteína no organismo. Sendo o principal componente da matriz extracelular, o colágeno exerce importante papel estrutural, fazendo parte da composição dos ossos, cartilagens, tendões, pele e demais tecidos conjuntivos. Além disso, contribui com a manutenção da força, estabilidade e integridade, fornecendo o suporte necessário ao longo de todas as estruturas celulares.  

Basicamente, sua formação consiste em um aglomerado de aminoácidos (estruturas que formam as proteínas), onde em sua sequência primária podemos encontrar essencialmente 3 tipos de aminoácidos: glicina, prolina e hidroxiprolina ou hidroxilisina, este último em menor quantidade. Para dar origem a hidroxiprolina, que é primordial para a formação correta de colágeno, a prolina necessita passar por um processo de reação enzimática dependente de dois nutrientes muito importantes: a vitamina C e o ferro. Ou seja, sem o aporte adequado destes compostos, principalmente da vitamina C, a conversão da prolina em hidroxiprolina não ocorre e, consequentemente, a síntese de colágeno é prejudicada.  

Nesse sentido, além do decréscimo natural relacionado a idade, uma alimentação deficiente em nutrientes também pode ser um motivo para a perda de colágeno. Nos casos mais graves, a deficiência de vitamina C pode inclusive levar ao desenvolvimento do escorbuto, uma doença caracterizada pela manifestação de sintomas como apatia, indisposição, irritação, lesões de pele e hemorragias nos estágios mais avançados.  

Por isso, para evitar maiores danos, é importante manter uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes, atentando-se especialmente aos níveis de ferro e vitamina C presentes nas refeições, além da correta ingestão de água ao longo do dia. Junto a isso, o consumo diário e variado de frutas, verduras e legumes fornece além de vitaminas e minerais essenciais, uma vasta gama de compostos antioxidantes que também colaboram com a manutenção de uma pele mais bonita e saudável no decorrer dos anos.  

• Daniel Magnoni, consultor da iniciativa Nutrientes para a Vida (NPV), diretor de Serviço de Nutrologia e Nutrição Clínica do Hospital do Coração – Hcor, Mestre em cardiologia pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP; especializado ainda em Clínica Médica, Nutrologia e Nutrição Parenteral e Enteral pela Associação Médica Brasileira – AMB / Conselho Federal de Medicina – CFM 

Referências 
Porfírio E, Fanara GB. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2016; 19(1):153-164.
Schneider RH, Irigaray TQ. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia. 2008; 25(4): 585-593.
Farage MA, Miller KW, Peter Elsner, Maibach HI. Characteristics of the Aging Skin. Adv Wound Care (New Rochelle). 2013 Feb; 2(1): 5–10.
Vollmer DL, West VA, Lephart ED. Enhancing Skin Health: By Oral Administration of Natural Compounds and Minerals with Implications to the Dermal Microbiome. Int J Mol Sci. 2018 Oct; 19(10): 3059.
Deshmukh SN, Dive AM, Moharil R, Munde P. Enigmatic insight into collagen. J Oral Maxillofac Pathol. 2016; 20(2): 276–283.
Albaugh VL, Mukherjee K, Barbul A. Proline Precursors and Collagen Synthesis: Biochemical Challenges of Nutrient Supplementation and Wound Healing. J Nutr. 2017; 147(11): 2011–2017.
Silva VL, Antunes LC, Cozzolino SMF. Vitamina C (ácido ascórbico). In: Cozzolino SMF. Biodisponibilidade de nutrientes. 5ºed. Barueri, SP: Manole, 2016. p.417-39.
Schagen SK, Zampeli VA, Makrantonaki E, Zouboulis CC. Discovering the link between nutrition and skin aging.  Dermatoendocrinol. 2012 Jul 1; 4(3): 298–307. 

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Nutrição Funcional & Alimentos Brasileiros: um caminho para a Longevidade" - conheça o livro

Foi lançado em setembro de 2019, o livro "Nutrição Funcional & Alimentos Brasileiros: um caminho para a Longevidade", de autoria de 4 supernutricionistas: Valéria Paschoal, Natália Marques, Ana Beatriz Baptistella e Renata Alves Carnaúba. A publicação apresenta um panorama sobre vários aspectos do envelhecimento, incluindo esclarecimentos sobre as alterações fisiológicas, a preparação dos indivíduos para esta etapa da vida e orientações para o próprio nutricionista, que precisa estar atento para esta transição. 

Afinal, são várias as questões que o profissional precisa conhecer para melhorar a qualidade de vida do idoso. Também são apresentados alguns dados da fisiologia, sobre as principais ações do envelhecimento com o objetivo de nortear as ações do nutricionista no atendimento a este paciente. 

O livro apresenta também as principais revisões dos padrões alimentares associados a melhor qualidade de vida e envelhecimento mais saudável. 



Outro importante destaque do livro são as receitas com PANC – Plantas Alimentícias não Convencionais e alimentos da biodiversidade brasileira, que possuem muitos compostos bioativos, antioxidantes e anti-inflamatórios, essenciais para o processo de envelhecimento saudável. 

Sobre as autoras 

Dra. Valéria Paschoal 
Nutricionista. Mestre na área de Nutrição e Pediatria pela UNIFESP – EPM. Editora Científica da Revista Brasileira de Nutrição Funcional. Diretora da VP Centro de Nutrição Funcional. Instagram: @dravaleriapaschoal

Dra. Valéria junto com outras autoras do livro

Dra. Ana Beatriz Baptistella 
Nutricionista Clínica Funcional, docente dos cursos de pós-graduação e Coordenadora Cientifica da VP - Centro de Nutrição Funcional. Instagram: @anabia_nutri 

Dra. Natália Marques 
Nutricionista, especializada na área de Materno Infantil, Nutrição Esportiva Funcional, Fitoterapia, Agricultura Biodinâmica. Mestre na área de Nefrologia da UNIFESP. Doutora na área de Dermatologia da UNIFESP. Coordenadora dos cursos de Pós-Graduação em Nutrição Clínica Funcional e Fitoterapia Funcional da VP Centro de Nutrição Funcional. Instagram: @dranataliamarques

Dra. Renata Alves Carnaúba 
Nutricionista, Doutoranda em Ciências dos Alimentos pela Universidade de São Paulo, Especialista em Revisão Sistemática e Meta-Análise pela Universidade de São Paulo, Pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e pós-graduada em Genômica Nutricional pela Universidade Cruzeiro do Sul e Nutricionista do Dpto Científico da VP Centro de Nutrição Funcional. @reacarnauba 

Ficha Técnica 
Nutrição Funcional & Alimentos Brasileiros: um caminho para a Longevidade 
Autoras: Valéria Paschoal, Natália Marques, Ana Beatriz Baptistella e Renata Alves Carnaúba 
VP Editora 
Número de Páginas: 128+capa 
Formato: 15,0x21,0 cm – 4 cores 
Preço no site: R$ 75,00 
Mais informações: www.vponline.com.br

Aproveite e leia aqui no blog outras matérias sobre nutrição, como esta sobre os substitutos da carne e do leite na dieta vegetariana.


quinta-feira, 26 de setembro de 2019

SAÚDE: Tamo junto no setembro amarelo e ao longo de todos os outros dias


*Fernanda Zacharewicz

Pediram-me um pequeno artigo sobre prevenção ao suicídio. Passava longe de mim a ideia de escrever sobre isso e, de repente, cá estou eu, sentada escrevendo essas linhas. Perdi o sono, acordei ainda escuro, madrugada alta, e só consegui levantar-me da cama quando os pássaros começaram a cantar. Pensei: é isso. A escuridão se vai e o canto dos pássaros prenuncia a possibilidade de um novo dia. Soa meio piegas, mas é isso. Prevenir o suicídio é possibilitar que o atravessamento da escuridão seja possível, possibilitar que os ponteiros do relógio sigam seu movimento, que o tempo corra além da dor.

Poderia escrever o texto abordando as estatísticas que mostram o crescimento da taxa de suicídio, principalmente entre adolescentes. Mas decidi guiar a pena por outros caminhos, pela dor que dilacera e se congela no momento do ato suicida. Aí, nesse instante o tempo para e não se apresenta saída.

Esses dias li que um grupo evangélico já evitou mais de 80 suicídios em uma ponte de Natal, desde que passou a acampar por lá justamente com esse objetivo. O grupo se chama “Sentinela de Cristo”. E chamo a atenção para a palavra “Sentinela” que segundo o Houaiss é aquele que vigia, que vela. Acrescento o que ouço desse significante: aquele que está a postos. Nesse caso, a postos no momento no qual a dor está insuportável.

Nesse momento eles estão lá, a postos, disponíveis para resgatar, ouvir, fazer passar o segundo crucial, esticar o tempo até que o relógio possa ser ajustado e a dor encontre vias de escoamento. Desde a ponte Newton Navarro (onde fica o acampamento) esses sujeitos tornam-se pontes para uma saída possível. Do abismo que se apresentava, a uma nova rota que se abre.

Foi publicada uma nota sobre um segurança do metrô que evitou que um adolescente se jogasse nos trilhos. A reportagem trazia a foto do segurança no chão, sentado ao lado do garoto. Graças a esse olhar atento, o menino encontrou outras trilhas.

Aqui há duas considerações importantes a fazer: a primeira é sobre a disponibilidade para o outro. Estar disponível para escutar o semelhante é mais do que abrir espaço na agenda do consultório, ou sair das redes sociais e ir tomar aquele café com o amigo. Esses atos não são irrelevantes, mas não bastam. Quanto não ouvimos de parentes e amigos de vítimas “Mas eu falei com o fulano ontem”, “Ela até me ajudou arrumar as coisas para o piquenique” ou “Havíamos reservado a passagem para a viagem”!

A disponibilidade é construída ao longo do tempo, refiro-me aqui não ao tempo cronológico, mas ao tempo kairós, tempo interno, tempo compartilhado no “um pouco de mim também é seu, não tudo, mas um pouco. Quando precisar, esse pouco vai ser todo por um momento e eu vou estar ali, inteira para você.”

Fernanda Zacharewicz é psicanalista e editora
O segundo ponto é a comunidade. Conheci uma escola na qual houve um caso de tentativa de suicídio. Foi impressionante o quanto esse episódio fez questão para toda a comunidade escolar. E foram muito além dos questionamentos usuais: “O que não estamos escutando de nossos alunos?”, “Em que podemos ficar mais atentos”. Toda a comunidade se mobilizou. Pequenas implicâncias entre as pessoas sumiram. Toda a família do aluno foi chamada a participar de diversas atividades escolares, os colegas se dispuseram a escutar seu amigo, curso de prevenção ao suicídio foi integrado à grade curricular e oferecido a toda a comunidade (pais e funcionários) que compareceu em grande número. Diversas famílias abriram as portas de suas casas e acolheram o sofrimento, puseram-se a escutar. Falou-se, falou-se e falou-se ainda um pouco mais sobre isso. E os fantasmas sobre o episódio e o sujeito foram caindo, aos poucos o tempo que foi destinado à escuta da dor e do sofrimento deu lugar ao verdadeiro acolhimento, o relógio passou a andar marcado pelas atividades cotidianas, esse sujeito com sua história estava novamente integrado à comunidade e a vida seguia seu rumo.

Meu ponto é que sozinhos não vamos conseguir. Todos os horários que eu abrir no consultório não serão suficientes, todo o amor familiar não será suficiente. Somos no divã e além dele, somos no condomínio em que vivemos e além dele, somos no pequeno grupo de amigos e além dele. Há que unir esforços: que venham evangélicos, umbandistas, judeus, psicanalistas, psicólogos, médicos, grupos como o Centro de Valorização da Vida (CVV), freiras, padres, manicures, cobradores de ônibus, professores, seguranças do metrô... que venham todos! Precisamos de toda a comunidade para escutar e acolher o semelhante.

E quanto a mim: I’ll be there for you.

*Sobre a autora: Fernanda Zacharewicz é psicanalista e editora. Atuou como professora universitária. Doutora em Psicologia Social pela PUC/SP. Decidiu seguir suas grandes paixões: o consultório e a Aller, editora de psicanálise, da qual é sócia.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...