sexta-feira, 23 de abril de 2021

Pudim de milho com calda de laranja é opção de sobremesa para comemorar o Dia Mundial do Milho

 

Divulgação/Divino Fogão

Em 24 de abril é celebrado o Dia Mundial do Milho. Para comemorar a data, o Divino Fogão, rede de restaurantes de comida da fazenda com 170 unidades, ensina como preparar uma receita diferente de sobremesa: o pudim de milho verde com calda de laranja.

PUDIM DE MILHO COM CALDA DE LARANJA

Ingredientes
2 latas de milho verde
400ml de leite
1 lata de leite condensado
4 ovos
1 lata de creme de leite
1 xícara de açúcar
1 colher (sopa) de margarina
200ml de suco de laranja
1 gema
1 colher (sopa) maisena

Modo de preparo
Despeje no liquidificador o milho e bata com o leite até homogeneizar. Acrescente o leite condensado, os ovos, o creme de leite e o açúcar até ficar homogêneo. Despeje em uma forma de pudim de 24 cm de diâmetro untada e polvilhada com açúcar. Leve ao forno médio, preaquecido, em banho-maria, por 1 hora e 10 minutos. Deixe esfriar e leve à geladeira por 4 horas.
Em uma panela, dissolva a maisena no suco de laranja, misture a gema, o açúcar e leve ao fogo baixo, mexendo até engrossar. Deixe esfriar coberto com um filme plástico e reserve na geladeira. Desenforme o pudim e decore com a calda de laranja.

Tempo de preparo: 80 minutos

Rendimento: 1 unidade

Fonte: Divino Fogão – 
www.divinofogao.com.br

 

Tudo que é feito com milho é muito bom. Então, veja aqui no Blog duas receitas práticas de pamonha e curau. Você vai se deliciar!!!

quarta-feira, 21 de abril de 2021

Mignon Suíno ao Molho Demi Glace

 Receita de Gio Mazzer, consultora Sabor das Índias

Consultora da marca Sabor das Ìndias, a Gio Mazzer trabalha muito a questão da cozinha descomplicada e sofisticada. Ela apresenta pratos de fácil execução, sempre abordando o conceito de "mesa posta", prezando pelos detalhes e carinho de toda a execução do prato até a sua finalização. Seu gosto estético é impecável e tato incrível para receitas. Mora em Cerquilho/SP, é mãe de Guto, percebe que a maternidade requer esforços e tudo fica melhor com dicas fáceis e ágeis. Além de trazer aqueles sofisticados drinks para relaxar aos finais de semana junto a família. 


Receita de Mignon Suíno ao Molho Demi Glace

Mignon suíno ao molho demi glace
Gio Mazzer

 

Para a marinada

500g de mingon suíno

1 limão Tahiti

3 dentes de alho

Raminhos de alecrim

1 colher (café) de páprica picante

1 colher (sobremesa) de sal

250ml de água filtrada

 

Para o molho “demi glace”

1/2 xícara (chá) de aceto balsâmico (vinagre balsâmico)
1 xícara (chá) de chutney de pimenta e abacaxi

 

Modo de fazer

Coloque num recipiente, com tampa, a carne e todos os ingredientes da marinada. Tampe e leve à geladeira por pelo menos 12h antes do preparo.
Retire a carne da geladeira 30 minutos antes de começar a fritar. Aqueça uma frigideira, coloque um fio generoso de azeite e coloque os filés para dourar. Vire e comece a acrescentar a água da marinada aos poucos. Conforme for secando, vá adicionando mais “caldo”. O processo dura em torno de 15 a 20 minutos. É importante a carne estar bem cozida. Quando terminar, retire os filés da frigideira e na mesma frigideira acrescente o aceto balsâmico, quando começar a ferver, adicione o chutney e misture bem até ficar homogêneo, quando encorpar, desligue o fogo e sirva imediatamente sobre a carne!



Filé mignon ao molho de mostarda e café é outra receita incrível publicada aqui no Blog. Vale a pena experimentar!

terça-feira, 20 de abril de 2021

Arquiteta dá dicas para superar dificuldades com home office e homeschooling em apartamentos compactos

Especialista aponta estratégias viáveis para uso dos espaços da casa em tempos de atividades remotas

Cenas de crianças aparecendo no meio da reunião virtual ou irmãos disputando espaço durante uma aula on-line se tornaram corriqueiras durante a pandemia da Covid-19, que já dura mais de um ano. Diante de tantos obstáculos existentes, a frase “fique em casa” ainda não tem prazo para terminar. Quando existe um espaço para cada membro da família, a situação fica mais fácil de ser resolvida. Mas, como distribuir várias pessoas em um espaço menor como dos apartamentos compactos?

Segundo a arquiteta Cristina Cardoso, responsável pelos apartamentos decorados da construtora Yticon, é possível recorrer a algumas estratégias (permanentes ou paliativas) para viver em harmonia familiar em apartamentos com menos de 50 metros quadrados. “De um dia para outro tivemos que reestruturar nossas rotinas e nossas casas, seja para o trabalho ou estudos. Não é todo mundo que pode realizar grandes investimentos em móveis planejados ou reformas maiores sem ter previsão no orçamento. Então, o jeito é recorrer à criatividade para garantir um pouco mais de privacidade nesses tempos de atividades remotas”, diz.

Estudos em casa

Beliche em "L" possibilita aproveitamento
 de espaço em quarto dos filhos
R.R. Rufino/ Divulgação

Para as crianças e adolescentes, ela indica um espaço determinado para estudar, que seja livre de circulação de pessoas ou de distrações, como a televisão ou brinquedos. “Mesmo antes da pandemia, já recomendava aos pais que estabelecessem um local de estudos no próprio quarto ou num cômodo específico. O ideal é ter, pelo menos, uma bancada e uma cadeira confortável", destaca.

Em quarto dividido entre irmãos, a sugestão da especialista é o beliche em formato “L”, ou a cama na parte superior da parede, pois dessa forma é possível aproveitar mais o espaço que fica abaixo da cama, como no caso do empreendimento Solar di Ravello, de 44 metros quadrados. “Este espaço pode ser utilizado tanto para os estudos como para lazer.”

Para ajudar no ensino das atividades escolares, ela recomenda a aplicação de tinta em uma parte da parede, adesivos específicos ou vidro para ser usado como lousa. “Esta é uma alternativa extremamente em conta que ajuda pais e filhos na hora das lições e para tirar dúvidas”, exemplifica. Este espaço, inclusive, pode ser usado como quadro de avisos com a rotina. “Pode ser um simples pedaço de cartolina, em que são estabelecidas atividades e horários.”

Móveis multifuncionais e retráteis

No quesito aproveitamento de espaços, ela pontua que existem outras ideias, desde uso total das paredes até  partes de trás das portas. “Se não há possibilidade de fazer mais armários, prateleiras suspensas podem substituir esse móvel. Caixas grandes também podem ser usadas para guardar objetos embaixo da cama. Dessa forma, é possível utilizar algum espaço do quarto para colocar uma mesa dobrável, que fica recolhida nos momentos de circulação e montada na hora do trabalho ou estudo”, explica a arquiteta.

Segundo ela existem vários tipos de mesa retrátil ou dobrável, desde as que são fixas nas paredes, até as que são embutidas nos móveis. “Tudo vai depender da possibilidade de investimento financeiro e, claro, um pouco de criatividade.” Há modelos que são portas de armários e, quando puxadas, viram uma bancada; outras ficam guardadas em gavetas e seguem o mesmo princípio. Estes modelos, no entanto, são feitos sob medida.

Quarto adulto

Bancada ao lado da cama pode
 ser usada como penteadeira e mesa de trabalho

Já no quarto adulto, Cristina sugere a troca de uma das mesas de cabeceira por uma mesa de apoio. “Esse móvel, quando bem utilizado, pode ser uma penteadeira e uma mesa de trabalho. É uma alternativa com dupla funcionalidade, viável financeiramente, e que ajuda quem precisa de mais privacidade na casa”, ressalta.

Para quem não pode investir no móvel, ela ainda apresenta outra possibilidade, como o uso de uma mesa móvel, com base metálica, que pode ser usada na cama ou no sofá.

“Neste caso, estamos falando de uma possibilidade para ocasiões rápidas, emergenciais, e não para trabalhar o dia todo, pois não tem ergonomia adequada”, lembra.

Uso compartilhado do ambiente

Quem precisa dividir um cômodo com outra pessoa, como uma sala de jantar, por exemplo, as alternativas ficam mais restritas, mas podem ajudar a minimizar o impacto visual. “Existem biombos retráteis que simulam paredes ou divisórias da casa, alguns até com modelos retrôs. Neste acessório, não há um isolamento acústico, mas permite mais privacidade aos outros moradores da casa enquanto a câmera do computador estiver aberta ou, ainda, diminuir as distrações de movimentação das pessoas”, diz a arquiteta. 

Outra alternativa viável e barata é a instalação de cortinas ou portas de correr. As cortinas podem ser colocadas com o sistema de trilho ou um simples varão. “Esta ideia também pode ser usada para quem precisa de um fundo neutro para a realização de lives, por exemplo”, pontua. Já para melhorar o isolamento acústico, ela sugere vedação de portas e janelas com fitas e borrachas amortecedoras, materiais que são acessíveis e fáceis de serem aplicados. 

Já se o uso da mesa ou bancada for compartilhado, ou seja, duas pessoas usando o móvel ao mesmo tempo, a saída é ter muita organização e delimitação de espaço. Isso pode ser feito com uso de objetos simples de papelaria e escritório, como porta-canetas, blocos, escaninho, porta-livros. Esses acessórios podem ser feitos artesanalmente ou com reaproveitamento de materiais, como caixas e potes de plástico.

Ideias fáceis e econômicas

Mesa móvel permite trabalho
em diversos cômodos da casa
R.R. Rufino/ Divulgação

Em quartos usados como quarto de visitas, a arquiteta aponta possibilidades de adaptação. “Se há uma cama, o uso de almofadas como encosto já diminui a sensação de um quarto, pois fica mais parecido com um sofá e o ambiente se torna mais impessoal”, aponta. 

Outra medida simples e barata é o investimento em iluminação. “A luz possui grande influência sobre o despertar de nossos corpos. Quanto mais branca a iluminação, melhor para um ambiente de trabalho ou estudo. Se este espaço é multiuso, um pendente, luminária ou filetes de LED acima da bancada ajudam muito, seja como peça decorativa, mas, principalmente, funcional”, aconselha Cristina.

Aqui no Blog, você também pode ler sobre como usar a cortiça na decoração e nos objetos. Confira!

quinta-feira, 15 de abril de 2021

Os "pobres" proprietários que participam de ‘Ame-a ou Deixe-a Vancouver’

Assistir alguns programas de reforma e decoração pode se tornar um vício, em minha opção, e eu já fiquei viciada em  c, apresentado pelos simpáticos apresentadores Jillian Harris e ‎Todd Talbot, exibido no canal pago Discovery Home & Health. Eles estão sempre sorridentes, são bem-humorados e elegantes. 



Ao longo das temporadas, Jillian teve seus dois filhos. Então, é comum vê-la grávida em vários episódios e até mesmo seu marido Justin Pasutto trabalha no programa como o empreiteiro que gerencia a reforma. Apesar de Todd falar da família e das crianças, só me lembro de ter visto um dos filhos dele uma vez.  

No programa, Jillian tenta convencer os moradores a ficarem na casa após uma reforma cheia de desafios, enquanto Todd procura novas propriedades para o casal comprar. No fim, os moradores precisam resolver se ficam na casa ou adquirem uma outra residência.

Meu vício no programa não me impede de ver o triste situação #sqn dos moradores que participam pois, apesar deles reclamarem, todas as casas que possuem costumam ser grandes, com metragem que varia de 120 a 250m², algumas até com sótão e porão habitáveis e que só precisam mesmo de um reforma. É muito fácil perceber que muitas dessas famílias já são proprietárias de "casas dos sonhos", do que no Brasil são moradias de classe média alta, mas estão insatisfeitos.



Muitos dos participantes cometem erros e são mesmo desorganizados, mas transferem o problema para as casas. Interessante ver ainda que eles "culpam" e se "revoltam" com Jillian quando ela esbarra com problemas estruturais que precisam ser resolvidos, o que inclui obras como a troca do telhado ou atualização da parte elétrica. A solução dos problemas impacta no orçamento e na necessidade de abrir mão de partes da reforma. Alguns só faltam sapatear.

Eu costumo sentar, assistir, rir e resmungar com orçamentos de reformas de 150 a 170 mil dólares ou de compras de casas na faixa dos 2 milhões de dólares. O pedido de um closet enorme, do banheiro com pia dupla, a tal cozinha em conceito aberto e com uma linda ilha. E as paredes de drywall que vão rapidinho ao chão. 

Todos querem um projeto moderno para a família. Me pergunto, em várias ocasiões, como os pais vão manter os sofás brancos, quando a família tem crianças pequenas. Deveria ter o pós-reforma para vermos como ficou a casa reformada e mobiliada alguns meses depois. 

‘Ame-a ou Deixe-a Vancouver’ coloca em cena as reclamações dos novos ricos e emergentes do Canadá, um outro padrão de consumo. Você já assistiu algum episódio? Conta o que acha e a razão de assistir. 


quarta-feira, 7 de abril de 2021

Estudo realizado com apoio do A.C.Camargo Cancer Center revela que o uso de alguns medicamentos para tratar Covid-19 apresentam risco de evolução da resistência antimicrobiana


Estudo realizado pelo consórcio internacional MetaSub, que reúne cientistas especialistas em genômica, análise de dados, engenharia, epidemiologia e saúde pública para mapear a microbiota (variedade e quantidade de bactérias, fungos, vírus e outros microrganismos), e que tem entre seus participantes o A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo, revelou possíveis impactos futuros da lotação dos hospitais e do uso excessivo de medicações (inclusive hidroxicloroquina) sem efeito para tratamento da COVID-191.


O motivo é a gestão da COVID-19 feita ao redor do mundo, que muitas vezes empregou quantidade alta de medicamentos em intervenções farmacológicas diversas e que deve acelerar a evolução e disseminação de microrganismos resistentes. Um estudo anterior do mesmo grupo mostrou padrões de colonização microbiana alterados e preocupantes podendo levar a maior diversidade de reservatórios de genes de resistência antimicrobiana2.

Em 2020, houve um importante aumento no fluxo hospitalar, incluindo a maior admissão de pacientes com COVID-19. Assim, até hoje muitos hospitais têm atendido além de suas capacidades. Com as hospitalizações excedendo o padrão normal e a função imunológica prejudicada devido à debilidade causada pela COVID-19, os riscos de coinfecções tiveram aumento substancial, levando à criação de protocolos de mudanças rápidas para tratamento do paciente, incluindo a administração de vários medicamentos, muitas vezes com eficácia duvidosa em todo o mundo.

O uso de drogas com efeito antiparasitário, medicamentos antivirais diversos, antibacterianos e anti-inflamatórios para prevenir infecções secundárias em pacientes com COVID-19 durante uma pandemia tão prolongada convida inevitavelmente a complicações futuras. Isto inclui um impacto ainda não conhecido na saúde e na microbiota e também deve levar a um agravamento de resistência a antimicrobianos.

"Isso é particularmente relevante para o surgimento e sucessiva seleção de mutações em microorganismos presentes no corpo e também no ambiente hospitalar, o que pode levar a futuras complicações. Devido ao maior volume de pacientes e ao uso de grande quantidade de medicamentos diversos os impactos em microrganismos diversos devem ser altos e ainda imprevisíveis", diz o Dr. Emmanuel Dias-Neto, cientista chefe do Laboratório de Genômica Médica do Centro Internacional de Pesquisas (CIPE) do A.C.Camargo Cancer Center.

Segundo o cientista, que participou do estudo, a maioria dessas drogas é usada tendo outros patógenos como alvo e, além de não afetarem o SARS-CoV-2 e não terem impacto clínico na COVID-19, podem prejudicar os já desafiantes tratamentos de doenças causadas por bactérias, fungos e outras infecções virais. "Com drogas frequentemente substituídas por novas opções terapêuticas, o medo de maior resistência a antibióticos é uma realidade", alerta.

Mesmo com a escassez de evidências, houve uma demanda crescente e o uso indevido de vários medicamentos. Várias destas drogas começaram a ser usadas indevidamente, sem qualquer evidência científica e por vezes na tentativa infundada de prevenir a ocorrência da doença clínica ou evitar a infecção. "O uso desses medicamentos, incluindo diversos agentes antivirais e antibióticos, pode levar a alterações na microbiota de pacientes que receberam este tratamento levando a uma quebra de simbiose que pode ser propícia à emergência e disseminação de resistência a múltiplas drogas, ou mesmo ao desencadeamento de outras doenças", completa.

O estudo reafirma a importância de todos estarem vigilantes e cautelosos para que a luta contra Covid-19 não cause outras importantes ameaças à humanidade.


Referências

1 - Afshinnekoo E, Bhattacharya C, Burguete-García A, Castro-Nallar E, Deng Y, Desnues C, Dias-Neto E, Elhaik E, Iraola G, Jang S, Łabaj PP, Mason CE, Nagarajan N, Poulsen M, Prithiviraj B, Siam R, Shi T, Suzuki H, Werner J, Zambrano MM, Bhattacharyya M on behalf of the MetaSUB Consortium. COVID-19 drug practices risk antimicrobial resistance evolution. The Lancet Microbe 2021 DOI: 10.1016/s2666-5247(21)00039-2

2 - Chng KR, Li C, Bertrand D, Ng AHQ, Kwah JS, Low HM, Tong C, Natrajan M, Zhang MH, Xu L, Ko KKK, Ho EXP, Av-Shalom TV, Teo JWP, Khor CC; MetaSUB Consortium (Dias-Neto E), Chen SL, Mason CE, Ng OT, Marimuthu K, Ang B, Nagarajan N (2020). Cartography of opportunistic pathogens and antibiotic resistance genes in a tertiary hospital environment. Nature Medicine 26(6):941-951.


Esta matéria também pode ser do seu interesse: SAÚDE -“44% das transmissões do coronavírus acontecem na fase pré-sintomática”, afirmao especialista da Faculdade São Leopoldo Mandic


terça-feira, 6 de abril de 2021

Aprenda a preparar salmão ao molho de laranja

 

Foto: Divulgação

Ingredientes
450g de salmão em postas
1 colher de café de pimenta do reino
½ colher de café de sal refinado
50ml de azeite de oliva
3 dentes de alho picados
100ml de suco de laranja
2 colheres de sopa de mostarda
1 colher de café de páprica doce
3 colheres de sopa de mel
1 colher de café de pimenta dedo de moça picadinha
1 colher de sopa de cebolinha

Modo de preparo:
Tempere as postas de salmão com sal e pimenta do reino e reserve. Em uma tigela, faça um molho misturando o azeite, o alho, o suco de laranja, a mostarda, a páprica, o mel, pimenta dedo de moça e a cebolinha. Em uma travessa, acomode as postas de salmão, regue com o molho e cubra com papel alumínio, em seguida leve ao forno por 10 minutos. Sirva e decore como preferir.

  • Tempo de Preparo: 30 minutos
  • Rendimento: 4 porções
  • Fonte: Água Doce Sabores do Brasil

Aqui no Blog, você também pode aprender a preparar um delicioso SALMÃO AO FORNO COM ABOBRINHAS

 

segunda-feira, 5 de abril de 2021

Receita simples e fácil de fazer de Estrogonofe de Frango

Estrogonofe de Frango
Henrique Escábia


 A mesma pode virar vegana

O Chef Henrique Escábia, consultor da marca Sabor das Índias, ensina uma receita simples e saborosa de Estrogonofe de Frango, que pode virar vegana a partir de algumas substituições. Veja a dica!

 

  • Tempo de Preparo: 30 min
  • Dificuldade: Fácil
  • Rendimento: 4 porções
  • Utensílios: Tábua, faca, caçarola grande, colher de silicone, concha de inox.

 

Ingredientes


Filé de Frango - 500g


Molho Inglês - 3 colheres de sopa


Azeite – 1 colher de sopa


Manteiga - 2 colheres de sopa


Cebola bem picada - 1 unidade média


Ketchup - 4 colheres de sopa


Mostarda - 2 Colheres de sopa


Conhaque (pode substituir por Whiskey/Bourbon) 1 xícara de café - 50ml


Creme de leite caixinha - 2 unidades


Champignon Opcional 100g – Eu não costumo colocar


Sal – a gosto

Modo de Preparo

1.    Limpe o filé de frango e corte em tiras. Coloque em um recipiente e tempere com o molho inglês, se conseguir fazer com pelo menos 1 hora de antecedência melhor.

2.    Em uma caçarola pré-aquecida, coloque o azeite (evita que a manteiga queime) e a manteiga, doure a cebola até que comece a ficar caramelizada e com aroma adocicado.

3.    Mantenha o fogo alto e coloque o frango para selar. Após secar a água que irá soltar do frango, frite por mais uns 4 minutos ou até que comece a pegar cor e dourar.

4.    Acrescente em seguida o ketchup e a mostarda, raspe bem o fundo da panela para que solte toda “casquinha” que ficou quando dourou o frango.

5.    Em um outro queimador do fogão ligado em fogo alto, coloque o conhaque na concha de inox e segure sobre o fogo para aquecer o conhaque até que pegue fogo sozinho. Com cuidado vire a concha com conhaque na caçarola com o frango, ketchup e mostarda. Assim iremos flambar a mistura para agregar aroma e sabor ao estrogonofe. Mexa até apagar o fogo, é bem rápido.

6.    Em seguida acrescente o creme de leite, mexa até que fique homogêneo e desligue.

7.    Acrescente o champignon se preferir.

Dica: Esta mesma receita pode ser feita utilizando a carne de preferência (mignon, patinho, alcátra) ou na versão vegana, substituindo a manteiga por azeite, o creme de leite animal por vegetal e o frango por cogumelos Shitake e Paris (400g).

Montagem - Sirva com arroz branco e batata palha caseira, pronta ou até mesmo batatas assadas.


Mango Fool - Creme de Manga com Gengibre e Pimenta Jalapeño. Esta é outra receita maravilhosa do Chef Henrique Escábia