quarta-feira, 27 de abril de 2022

Conheça as Bijouxtechs: Projeto TechGirls cria acessórios únicos e promove inclusão

 São brincos, colares e pulseiras desenvolvidos artesanalmente e que estimulam criatividade, autonomia financeira e sustentabilidade


Para mulheres descoladas que apreciam joias e acessórios, as bijouxtechs – brincos, colares e pulseiras, entre outros acessórios exclusivos, feitos do reuso consciente de componentes de computadores, o chamado lixo eletrônico – são ótimas opções de presente. As peças derivadas de matérias-primas que não oferecem risco ao contato com a pele são criadas pelas alunas do Projeto TechGirls sob a orientação da artista plástica e professora Simoni Uaska.

Entre os principais itens usados na produção dessas joias estão os microprocessadores, placas de memória RAM e teclados de computadores em desuso que, ao invés de serem descartados, recebem um novo significado compondo um look que, além de moderno, alia design, moda, sustentabilidade, e contribui, ainda, com a geração de renda e autonomia financeira de outras mães e artesãs que as produzem.

Para atingir um padrão de qualidade, as bijouxtechs – marcas registradas – passam por um processo que envolve equipamentos como retífica, estação de solda para placas eletrônicas e lixas de diferentes gramaturas.

“As bijouxtechs foram pensadas como uma parte estratégica do Projeto TechGirls, que desde 2017, vem transformando a vida de centenas de mulheres em situação de vulnerabilidade social por meio de cursos e formação em tecnologia”, comenta Gisele Lasserre, CEO e Fundadora do Projeto.

Os produtos do TechGirls são comercializados no site do projeto http://techgirls.com.br/decortech, e nas plataformas Magalu e OLX. A arrecadação das vendas dos produtos é revertida para pagamento dos materiais, ferramentas e logística das doações, bem como na triagem dos materiais e armazenamento.

 

Sobre o Tech Girls

Criado em 2017, o Tech Girls é um negócio de impacto socioambiental focado na empregabilidade em tecnologia e geração de renda. Por meio da Metodologia de Ensino Afetivo em Tecnologia, que alia afeto ao aprendizado de software e hardware, o projeto conta com aulas desenhadas para facilitar o aprendizado das mulheres, desde o nível inicial até a formação em hard skills tecnológicos. Com isso, capacita e torna acessível o conhecimento em tecnologia, auxiliando na criação de negócios digitais, autonomia para o uso pleno de computadores e celulares e acesso ao mercado de trabalho em TI. 

O negócio foi condecorado no Prêmio Empreendedora Curitibana 2021, na categoria Empresa de Impacto Socioambiental e, em março de 2022, e recebeu homenagem pela Câmara Municipal de Curitiba por sua contribuição às mulheres curitibanas. O Tech Girls já transformou diretamente mais de 500 vidas femininas, promovendo impacto positivo em centenas de famílias e comunidades de Curitiba e região metropolitana e, atualmente, em estabelecendo parcerias para promover a capacitação e inclusão de mulheres no mercado de tecnologia em todo o Brasil. Também desenvolveu projetos de inclusão social por meio da tecnologia para diversas empresas como o grupo Boticario, a OLX e a Renault, entre outras. Mais informações em https://techgirls.com.br.


E se você gosta de objetos naturais tem que ler esta resenha que a Chris Santos fez sobre o Ateliê Baobá. Eles produzem placas de madeiras que encantam a todos. Confira!

sexta-feira, 15 de abril de 2022

Netflix: Série Inacreditável é a história real de um mundo surreal

A minissérie de oito episódios, "Inacreditável", da Netflix, conta a história da adolescente Marie Adler (Kaitlyn Dever), que passa por situações surreais, nas quais a polícia, seus amigos e pessoas que a criaram não acreditam que ela foi estuprada. A partir do comportamento das pessoas, o equilíbrio emocional de Marie, que já era frágil, efetivamente cai por terra.

Marie Adler (Kaitlyn Dever)

Na história, que aconteceu na vida real, Marie relata às autoridades que um estranho mascarado invadiu seu apartamento em Lynnwood, cidade de Washington. Depois de amarrá-la e amordaçá-la, ele então a estuprou repetidamente por horas. Além disso, tirou várias fotos de Marie subjugada. Depois, obrigou a garota a tomar um banho e levou os lençóis da cama dela consigo ao ir embora. 

Sem darem andamento ao caso, os investigadores que a atenderam fazem as mesmas perguntas várias vezes em diferentes momentos. Tensa e solitária, a frágil Marie acaba alterando detalhes do relato. Ela não mentia conscientemente. Estava aturdida e acredito que uma parte da sua reação foi influenciada pela sua vida difícil desde a infância, quando passou por vários orfanatos e lares temporários com pais adotivos e, inclusive, já tinha sofrido abuso. 

Os investigadores interrogam Marie

Desconfiada até de si mesma, Marie retira a queixa de estupro, quando seus amigos, os pais de lares temporários começam a acusá-la e, até mesmo, matérias na imprensa são veiculadas. Ela começa a se sentir perseguida e sua insegurança aumenta junto com a sensação de inadequação. Para culminar, ela teve que enfrentar uma acusação de falsa denúncia que pode levá-la a ser condenada a até um ano de prisão. Os investigadores insensíveis queriam usá-la como bode expiatório. Uma vida que já era problemática fica um pouco pior. O estupro aconteceu em 2008.

Marie na sessão na qual é julgada por falsa denúncia

Foi somente em 2011, que a investigadora Karen Duvall (Merritt Wever) começou a investigar um caso de uma estudante estuprada em casa e o bandido utilizou o mesmo modus operandi

Durante o processo investigativo, Karen se aproxima de outra investigadora, a partir de uma indicação de seu marido, que também é da polícia. Esta investigadora na série é Grace Rasmussen (Toni Collette), que já tinha trabalhado em vários casos de estupro e alguns similares aos anteriores.

Karen Duvall e Grace Rasmussen

O estuprador verdadeiro 
confessou nada mesmo que 28 estupros no Colorado e dois em Washington. Ele sabia que os policiais de distritos diferentes não costumavam trocar informações (situação, que esperamos que tenha sido superada com as novas tecnologias). Estudava também sobre como limpar a cena de um crime e outros atividades policiais. Para saber como a investigação transcorreu depois que Karen e Grace se uniram, a melhor coisa é assistir a minissérie. São só 8 episódios e vai valer a pena.

A qui tem o trailer da série:



  

Hambúrguer de feijão carioca

A tendência plant based de alimentação vem crescendo nos últimos anos, em busca de melhorar a saúde planetária e o meio ambiente. E uma forma de adotar esse padrão é escolhendo proteínas vegetais para substituir, quando possível, a carne animal.

Abaixo publicamos a receita de hamburguer de feijão da nutricionista Roberta Lara, consultora de nutrição da Korin Alimentos. Tenho comido opções de “hamburguer” feitas de feijão preto e também com legumes, como couve-flor e brócolis, pois tenho diminuído a ingestão de cares.

Aproveite a dica!.

Receita da nutricionista Roberta Lara, consultora de nutrição da Korin Alimentos

Hamburguer de Feijão
Divulgação


Ingredientes

  • 1/2 xícara (chá) de Feijão Carioca (usei da Korin)
  • 3 colheres (sopa) de farinha de mandioca
  • Sal a gosto
  • 1 cebola pequena
  • 2 colheres (sopa) de azeite de oliva
  • Salsinha e cebolinha a gosto

Modo de Preparo

Deixe o feijão de molho por 12 horas. Descarte a água e cozinhe-o em panela de pressão. Retire um pouco do feijão antes dele ficar totalmente macio para amassar com garfo. Em uma travessa, amasse o feijão, adicione um pouco de água do cozimento e a farinha, aos poucos, mexendo com as mãos. Coloque os temperos e adicione o azeite de oliva, moldando até formar uma massa. Faça os hambúrgueres e sele-os com azeite na frigideira ou asse no forno.

  • 50 minutos (Fácil)
  • 4 porções


Clique aqui aprenda como fazer um sanduíche nutritivo e econômico.

sexta-feira, 8 de abril de 2022

Torta Majestosa de Abacaxi e Nozes

 Receita à base de farinha de arroz, leva abacaxi e nozes e é ótima opção para quem não pode consumir glúten e lactose

Com o final de semana chegando, ir para cozinha para preparar uma Torta pode ser uma opção para entreter as crianças e deixar dia mais gostoso. Para quem gostou da ideia, a chef Cecília Victorio ensina a preparar uma receita sem glúten e lactose, fácil de fazer e com um sabor surpreendente.

Feita com farinha de arroz, a Torta Majestosa de Abacaxi e Nozes tem uma textura leve, diferenciada e muito fofinha, combinando o sabor cítrico da fruta com a crocância das nozes. Confira! 

TORTA MAJESTOSA DE ABACAXI E NOZES


Ingredientes da massa:

3 ovos médios

200g de açúcar refinado

200ml de suco de abacaxi

200ml de óleo de milho

270g de farinha de arroz

1 colher de sopa de fermento

5g de goma de xantana

 Suco

80ml de água filtrada

150g de abacaxi picado

Preparo:

Bata no liquidificador e coe. Reserve.

Recheio

250g de abacaxi picado

2 colheres de sopa de açúcar

40g de nozes trituradas

40g de uvas passas

Preparo:

Coloque o abacaxi picado e o açúcar numa panela e leve ao fogo até secar a água. Deixe esfriar. Reserve.

Modo de preparo:

Bata no liquidificador por 1 minuto os ovos, açúcar, suco e o óleo. Pare de bater e misture numa tigela a farinha de arroz, o fermento e a goma de xantana. Adicione o suco batido acima e mexa com o fuê até obter uma mistura homogênea e lisa. Unte com manteiga e enfarinhe com farinha de arroz uma forma redonda de 22cm.Coloque toda massa e distribua sobre ela os pedaços de abacaxi cozidos. Finalize distribuindo as passas e nozes picadas sobre o abacaxi. Leve ao forno a 180º C por 50 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.

Você também pode experimentar uma Salada com Molho de Abacaxi. Que tal? 


quarta-feira, 6 de abril de 2022

EVALI: saiba mais sobre a doença associada do uso de cigarros eletrônicos


Mesmo sem aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os cigarros eletrônicos vêm ganhando adeptos no país, em grande parte pela concepção de que o produto não é prejudicial à saúde. Mas, apesar das características físicas e sensoriais diferentes das do cigarro convencional, o produto traz sim riscos e pode até resultar no desenvolvimento de uma doença específica, a EVALI – lesão pulmonar associada ao uso de cigarro eletrônico ou vaping.

Segundo a pneumologista do Centro de Medicina Torácica do Hospital Edmundo Vasconcelos, Marina Dornfeld Cunha Castro, a doença é caracterizada por uma lesão pulmonar que causa manifestações clínicas muitas vezes inespecíficas, porém potencialmente graves. “Os sintomas são diversos e vão desde manifestações gerais como febre, calafrio, fadiga e perda de peso até problemas gastrointestinais como dor abdominal, náuseas, vômitos e diarreia. E, pela inflamação pulmonar, o quadro pode vir acompanhado de falta de ar, dor torácica e tosse - por vezes com sangue”, comenta.

A médica conta que a evolução dos pacientes a partir do diagnóstico e do início do tratamento tende a ser satisfatória, porém não se deve descartar a possibilidade de agravo, com evolução para insuficiência respiratória e necessidade de tratamento em terapia intensiva, ou mesmo levar à morte. “A definição de caso de EVALI considera o uso do cigarro eletrônico nos 90 dias que antecedem o início do quadro clínico, de acordo com o que é preconizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA”, diz.


Para quem, ainda assim, avalia a hipótese do uso dos cigarros eletrônicos, a médica destaca que é importante considerar outros potenciais danos à saúde, além da EVALI. Isso se deve à composição do produto, que contém diversas substâncias nocivas e tóxicas para as células e genes, com efeitos irritantes e carcinogênicos. “A inalação destas substâncias leva a condições respiratórias agudas e potencialmente crônicas, como o enfisema, além de aumentar os riscos de doenças cardiovasculares e câncer”, alerta a médica.

Dra. Marina reforça ainda os riscos do uso dos cigarros eletrônicos entre os jovens: “Os milhares de aromatizantes e saborizantes que podem ser adicionados ao líquido aumentam a taxa de experimentação e perpetuam o uso. Aliados às elevadas concentrações de nicotina, alguns dispositivos causam altíssimo potencial de instalação ultrarrápida de dependência”, conta. Tudo isso contribui para a manutenção do uso e leva à uma porta de entrada para o fumo de cigarros convencionais e ao uso duplo”.

Outras complicações são enfatizadas pela médica, que traz o alerta principalmente aos mais jovens. “Para este público, o consumo contínuo implica alterações no desenvolvimento cerebral, com danos a longo prazo na memória, capacidade de atenção e de execução de atividades. Pode ocorrer também intoxicação nicotínica por vaporização excessiva ou ingestão acidental ou intencional do líquido dos cigarros eletrônicos. Sem esquecer o risco de lesões potencialmente graves como queimaduras pela explosão da bateria do produto”, finaliza.

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atende em mais de 50 especialidades. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 190 mil consultas ambulatoriais, 50 mil atendimentos de Pronto-Socorro e cerca de 950 mil exames por ano.

Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 - Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e estar no ranking de 2021 dos Melhores Hospitais da América Latina, segundo a Revista América Economia Intelligence, entre as Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil 2020 e em primeiro lugar na categoria Saúde - Hospitais, conquistado por quatro anos consecutivos.

Rua Borges Lagoa, 1.450 - Vila Clementino, Zona Sul de São Paulo.

Tel. (11) 5080-4000

Site: www.hpev.com.br

Facebook: www.facebook.com/HospitalEdmundoVasconcelos/

Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV

YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV

Linkedin: www.linkedin.com/company/19027549

Instagram: www.instagram.com/hospitaledmundovasconcelos/


Aqui você também pode ler sobre doenças respiratórias: asma x bronquite x pneumonia.