quinta-feira, 18 de março de 2021

Korin lança Castanha do Brasil orgânica

Rastreabilidade atesta extrativismo legal do produto


A Korin, conhecida no mercado brasileiro por produzir e comercializar linhas orgânicas, sustentáveis e sem uso de transgênicos de produtos de origem animal e vegetal, lança a sua Castanha do Brasil orgânica, semente da Amazônia brasileira, extraída a partir de um processo sustentável, que valoriza o extrativismo legal e atestada pela rastreabilidade que acompanha todo o processo, desde a colheita até as gôndolas dos mercados.

Toda a produção da Korin é baseada na Agricultura Natural de Mokiti Okada, método agrícola sustentável que respeita o agricultor, vivifica o solo e não utiliza adubos químicos ou agrotóxicos, e na produção da sua Castanha do Brasil não seria diferente. Isso garante que os extrativistas das comunidades tradicionais da Amazônia, sendo quilombolas, ribeirinhos e/ou indígenas, tenham uma fonte de renda justa, além de manter a história e as tradições de quem vive no local, promovendo também a conservação das castanheiras da floresta amazônica.

As embalagens da Castanha do Brasil Korin orgânica contam com um QR Code que certifica a transparência em relação à origem do produto nacionalmente, já que a empresa tem o cadastro dos extrativistas, que permite saber quais grupos coletaram a castanha, garantindo que o valor combinado chegue, de fato, para quem coleta, reconhecendo seu protagonismo no processo.

No segmento saudabilidade, a castanha-do-brasil é uma forte aliada na manutenção da saúde. Estudos como o da doutora Orquídea Vasconcelos dos Santos, Estudo das potencialidades da castanha-do-brasil: produtos e subprodutos, em sua tese de doutorado de 2012, da USP – Universidade de São Paulo, indicam que a castanha-do-brasil tem alto percentual em selênio, um importante antioxidante que é relacionado à redução de alguns tipos de câncer, entre outras patologias. Outro destaque é seu percentual em fibras, coadjuvante na prevenção de patologias do sistema circulatório e digestivo. A semente atua também na redução de níveis de colesterol, Alzheimer, entre outras doenças degenerativas.

A Castanha do Brasil Korin é 100% orgânica, livre de gorduras trans, de organismos geneticamente modificados e de sintéticos, mantendo a prática da marca em produzir alimentos orgânicos. Sua embalagem moderna traz um sistema de fechamento zip, que mantém o produto fresco, crocante e altamente nutritivo.

A Castanha do Brasil Korin orgânica pode ser encontrada nas lojas próprias da marca ou nos pontos de venda que podem ser acessados no site, https://www.korin.com.br/, na aba Onde Encontrar.

Aproveito para agradecer a assessoria de imprensa Máxima pelo envio do press kit do lançamento. Eu realmente amo castanhas do Brasil (até bem pouco tempo conhecida como castanha do pará). São frescas e deliciosas (sou da geração que ainda sofria com aquele sistema de quebrar a castanha no Natal). Sucesso para a Korin!



Sobre a empresa - A Korin Agropecuária Ltda., com sede na cidade de São Paulo, possui a unidade produtiva no município de Ipeúna (SP). Fundada em 1994, a empresa baseia toda a produção na filosofia do pensador japonês Mokiti Okada (1882-1955), que preconizou a Agricultura Natural, método agrícola sustentável que respeita o agricultor, vivifica o solo e não utiliza adubos químicos ou agrotóxicos. Sob o slogan “Sua vida com mais saúde”, a Korin produz e comercializa linhas orgânicas, sustentáveis e sem uso de transgênicos de origem animal e vegetal como frangos, ovos, carne bovina, peixe, arroz, café, mel entre outros. A empresa é pioneira no Brasil na produção de frangos e ovos livres de antibióticos, além de oferecer carne bovina orgânica certificada. Toda a produção é realizada por cooperativas e pequenos e médios produtores, incentivando a agricultura familiar e integrando valores ecológicos e sociais para garantir, não apenas a qualidade dos produtos, mas também sua qualidade de origem. No ano de 2017 foi considerada a empresa top of mind em orgânicos, segundo pesquisa encomendada pela Organis e publicada pelo jornal Valor Econômico.


Nenhum comentário:

Postar um comentário