sexta-feira, 5 de junho de 2020

Receita - Aprenda a fazer um sanduíche de frango empanado sem pão


Prato é um dos mais vendidos da Chicken in House e pode ser reproduzido em casa

Chicken in House, franquia de frango frito presente em todo o Brasil, abriu uma das receitas de seu cardápio para ser reproduzida em casa, durante a quarentena. O Double Chicken é um sanduíche especial sem pão, de preparo simples e sabor surpreendente. Confira abaixo a receita completa:


Ingredientes

200 gr de filé de peito de frango
100 gr de farinha de trigo
100 gr de farinha de rosca
2 ovos
30 gr de bacon em fatias
1 colher de molho da sua preferência (pode ser maionese tradicional)
1 fatia de queijo muçarela

Modo de Preparo

1) Divida o filé de peito em duas partes iguais, com 100 gramas cada. Em seguida, empane-os com farinha de trigo, farinha de rosca e ovos, frite-os e reserve;

2) Frite o bacon e reserve as fatias;

3) Monte o sanduíche colocando um filé de frango na base, seguido de molho de sua preferência, como, por exemplo, maionese, queijo muçarela e bacon;

4) Para finalizar, insira o segundo filé de frango em cima.

Sobre

A Chicken in House está com suas lojas físicas fechadas durante a quarentena, mas o delivery permanece em funcionamento normalmente. A franquia de frango frito no balde original, nasceu em Volta Redonda (RJ), possui 38 franquias em funcionamento e outras 25 a inaugurar, além de seis master franquias. Em busca de inovar e se adequar às tendências da gastronomia nacional, no final de 2019, o fundador John Lenon lançou a linha Chicken in House Gourmet, que veio com o objetivo de tornar a marca mais forte e seu cardápio ainda mais saboroso. Como meta para este ano, a matriz almeja alcançar 100 franquias em operação. 

O blog Glamour e Felicidade tem mais receitas com frango como esta sugestão com vinho e legumes.


quarta-feira, 3 de junho de 2020

Saúde - Endocrinologista alerta: o teste do pezinho é rápido e pode salvar a vida do bebê


Fácil e rápido de ser feito, o teste do pezinho é o exame de sangue coletado no pé do recém-nascido. “É um exame de extrema importância e deve ser realizado entre o terceiro e, no máximo, quinto dia após o nascimento do bebê. Seu objetivo é diagnosticar precocemente - na fase sintomática - doenças que causam complicações graves, que vão desde retardo mental até a morte”, alerta Dra. Tânia Bachega, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP) que acompanhou a reformulação do Programa Nacional de Triagem Neonatal no Ministério da Saúde.



Como é feito? - Com uma agulha bem fina, é retirado o sangue do calcanhar do bebê e as gotinhas são colocadas em um papel, que segue para os laboratórios públicos ou privados habilitados a realizar o teste.

As maternidades da rede particular fazem a coleta do material. Já no sistema público, isso não acontece em todos os municípios, e a mãe precisa ficar atenta ao prazo limite (até o quinto dia após o nascimento) para levar o recém-nascido a uma unidade básica de saúde para colher o sangue.

“Atenção: o importante não é somente coletar o sangue, mas também cobrar a liberação rápida dos resultados. As mães devem exigir o resultado do teste por escrito”, alerta Dra. Tânia.

As mães geralmente confundem a imagem digitalizada do pezinho com o teste. São coisas muito diferentes. A foto do pezinho é só para a identificação do bebê na maternidade.

Entre as doenças rastreadas pelo teste do pezinho estão:

- Hipotireoidismo congênito: com o diagnóstico tardio, a criança terá retardo mental grave chamado de cretinismo;

Fenilcetonúriadoença rara, congênita e genética, que afeta o sistema neurológico;

Anemia falciforme: doença do sangue causada por uma alteração genética no formato das hemácias, diminuindo sua capacidade de transportar oxigênio para as células do corpo e gerando sintomas como dor generalizada, fraqueza e apatia;

Fibrose císticaconhecida também como mucoviscidose, é uma doença genética, hereditária, autossômica e recessiva, ou seja, passa de pai/mãe para filho (a). Ela afeta os aparelhos digestivo e respiratório e as glândulas sudoríparas;

Hiperplasia adrenal congênita: doença que afeta os hormônios essenciais da vida, como cortisol e aldosterona. Sem o tratamento precoce, leva o bebê à desidratação grave nos primeiros dias de vida, frequentemente evoluindo para óbito;

Deficiência de biotinidase: doença metabólica hereditária que pode causar convulsões, surdez, ataxia, hipotonia, dermatite, queda de cabelo e atraso no desenvolvimento.


“A triagem neonatal é um processo complexo, pois não se restringe apenas à realização dos testes para diferentes doenças, mas também envolve a busca rápida dos bebês com testes positivos para a confirmação diagnóstica da doença, por meio de exames mais específicos, e início do tratamento no menor tempo possível e acompanhamento por uma equipe multiprofissional”, conta Dra. Tânia.

Teste positivo: o que fazer?

Uma vez que o resultado tenha dado positivo para uma das doenças que fazem parte do rol do teste do pezinho, é preciso tirar a prova com um novo teste comprobatório. Mesmo que seja difícil e assuste os pais, o resultado positivo nem sempre quer dizer que a criança desenvolverá a doença em questão. Nesses casos, o teste deve ser repetido rapidamente com o acompanhamento do pediatra, que deve ficar atento às manifestações clínicas da doença.

Sobre a SBEM-SP

A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em Endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais moléstias tratadas pelos endocrinologistas.

Serviço:



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...