terça-feira, 2 de julho de 2019

BELEZA: Inverno é temporada dos tratamentos de rejuvenescimento da pele e combate à flacidez: conheça as novidades



O inverno ficou conhecido como a estação ideal para realização dos tratamentos faciais para rejuvenescimento da pele, combate à flacidez e perda de volume. Mas, este é cada vez mais um mito, pois a radiofrequência fracionada é uma tecnologia que pode ser utilizada no rejuvenescimento facial a qualquer época do ano. 

A radiofrequência fracionada é uma tecnologia que vem sendo cada vez mais utilizada nos consultórios dermatológicos, que contam com equipamentos como as plataformas V10 e V20, da marca Viora, que garantem eficiência tanto na redução da flacidez de face e pescoço quanto na remoção das rugas e linhas de expressão, sem a necessidade do paciente se afastar das atividades de rotina ou do trabalho (downtime).

Esta tecnologia promove o aquecimento da derme profunda, a uma temperatura em torno de 41 a 42°C. O calor estimula a circulação sanguínea e gera a retração imediata das fibras de colágeno e elastina e, ao mesmo tempo, estimula a formação de novas.

“Com esta tecnologia não invasiva, a pele fica levemente vermelha e inchada após o procedimento, mas são reações passageiras. O paciente pode trabalhar tranquilamente no dia seguinte, tendo o cuidado de aplicar um filtro solar com cor. A radiofrequência fracionada é indolor e tem baixo risco de lesões, quando comparamos com as tecnologias ablativas, como o laser. O resurfacing, ou seja, o rejuvenescimento da pele é excelente. Ela fica mais lisa, uniforme e firme”, explica a dermatologista Dra. Patrícia Rittes.

Para que esperar o inverno chegar? São indicadas, pelo menos, 4 sessões com intervalos de 20 dias entre cada uma, mas o rejuvenescimento é visível desde a primeira sessão. O procedimento também é indicado para redução das cicatrizes de acne, celulite e combate à gordura localizada. 


Sobre a MEDPRO® - É uma empresa brasileira, importadora e distribuidora de produtos de altíssima tecnologia, fundada no ano de 2006. Atua no segmento de dermatologia, cirurgia plástica e estética, provendo soluções para Restauração da Saúde e Beleza da Pele. Importa e comercializa aparelhos de Laser, Laser de Picosegundos, Luz Pulsada, Radiofrequência, e Imagens, todos registrados na ANVISA, que proporcionam tecnologia de ponta para tratamentos estéticos e de doenças da pele. Site: www.medpro.com.br.

domingo, 30 de junho de 2019

Saúde: IMUNOTERAPIA É LIBERADA NO BRASIL PARA CATEGORIA MAIS AGRESSIVA DE CÂNCER DE MAMA

O tratamento com imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo foi aprovado no Brasil no mês de julho de 2019 pela Anvisa. Diagnosticada por um exame realizado pelo médico patologista, essa categoria da doença é o tipo mais agressivo da doença, mas até então só contava com a quimioterapia como opção de tratamento sistêmico. Quando recebi esta notícia, resolvi averiguar um pouco mais sobre a imunoterapia, pois minha mãe 


O medicamento foi aprovado após a publicação dos resultados de um estudo publicado no The New England Journal of Medicine, realizado com cerca de 900 pacientes. Indicada para casos avançados inoperáveis ou metastáticos, a droga Atezolizumabe, aprovada para o câncer de mama triplo negativo, bloqueia especificamente a molécula PD-L1, produzida pelo câncer e pelas células inflamatórias. Ao inibi-la, o medicamento auxilia a resposta imune do próprio organismo a reconhecer o câncer e combatê-lo.




A pesquisa mostrou uma taxa de sobrevida de 21,3 meses para pacientes que utilizaram a imunoterapia juntamente com a quimioterapia. Em contrapartida, a sobrevida foi de apenas 17,6 meses para aquelas que não usaram o imunoterápico. Quando o câncer era positivo para PD-L1, através do exame de imuno-histoquímica, essa taxa atingiu a marca de 25 meses. Consequentemente, para a indicação da droga, pacientes com tumores triplo negativos irressecáveis ou metastáticos deverão ter suas amostras testadas para o PD-L1, cuja avaliação também é feita pelo médico patologista.

“Esse achado é tão importante porque fazia muito tempo que esses tumores estavam sendo estudados. Várias drogas foram testadas anteriormente, mas até então sem benefício clínico comprovado”, afirma Marina De Brot, médica patologista, secretária geral da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) e uma das coordenadoras do Clube da Mama da Sociedade.

A partir da liberação, a medicação, agora, pode ser comercializada no país. Porém, alerta a especialista, o imunoterápico ainda não está disponível no sistema público de saúde e seu alto custo é um desafio para melhoria no tratamento do câncer de mama.

Como age a imunoterapia

Dr. Marcelo Corassa, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center, explica que a imunoterapia é um tratamento que atua diretamente no sistema imune do indivíduo que a recebe. "Continuamente as células do nosso organismo sofrem mutações e podem levar a um câncer, algo que é bloqueado em parte pelo nosso sistema imune. Quando o tumor surge ocorreu uma falha da imunidade, geralmente porque as células neoplásicas foram capazes de "se esconder" ou "fugir" da atividade das células de defesa. Uma vez iniciado o tratamento, os medicamentos fazem com que haja um estímulo do sistema imune, potencializando as células específicas que combatem o que é estranho ao organismo, levando ao melhor reconhecimento das células tumorais e, consequentemente, capacitando o ataque e destruição destas".


O procedimento promove um balanço entre a atividade positiva e negativa da imunidade. "Existem inúmeros processos relacionados ao sistema imune no organismo e há um equilíbrio para que não reconheçamos a nós mesmos como estranhos. As células tumorais se utilizam deste processo para tentar evadir da atividade endereçada contra elas. O câncer, por si só, pode suprimir a imunidade do indivíduo fazendo, inclusive, com que ele fique mais suscetível a infecções. Neste sentido, estimular as nossas células para lutar contra algo que é estranho e que não deveria estar dentro de nós faz todo sentido biológico", esclarece Corassa.





Hoje não existem imunoterapias orais. Todas as drogas são ministradas por via endovenosa (ou seja, pela veia) diluídas em soros específicos. A maioria das imunoterapias é administrada em um intervalo de 30-60 minutos, em intervalos que se repetem a cada 2, 3 ou 4 semanas - o protocolo é definido pelo oncologista. "Dependendo da indicação o tratamento pode ter uma data prevista para seu final, mas também pode ocorrer a administração enquanto houver uma boa resposta contra o câncer. Pelo menos uma vez por mês os pacientes irão passar em seus oncologistas para avaliar os efeitos colaterais, a efetividade do tratamento e decidir sobre a manutenção do mesmo", alerta

Dentro do universo de estudos sobre o câncer triplo negativo, existem dados interessantes que apontam para para a adição da imunoterapia a quimioterapia, radioterapia e mesmo a própria imunoterapia. "Hoje, no Brasil, existe aprovação para uso concomitante de quimioterapia e imunoterapia e de imunoterapia posterior a quimioterapia e radioterapia. O racional para isso deriva do sinergismo entre os tratamentos. Alguns tumores são ditos como "frios" - ou seja, são tumores pouco inflamados e muito capazes de escapar do sistema imune. Quando associamos a quimioterapia ou a radioterapia (de forma concomitante ou sequencial) ocorre o "aquecimento" do tumor. Em suma, ele fica mais visível ao sistema imune, que está sendo estimulado pela imunoterapia, fazendo com que haja a sinergia entre os tratamentos. Estão sendo avaliados em estudos clínicos, atualmente, os resultados doo uso de imunoterapia antes de cirurgia ou radioterapia, concomitante a radioterapia, com anticorpos bloqueando outras vias ativadas nos tumores e mesmo com outras indicações, como agentes infecciosos modificados", finaliza Corassa. 


Você pode conferir no blog o post sobre bioterapia, outro tratamento disponível para diferentes tipos de cânceres.  


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...