segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Receita: Torta italiana de chocolate e amêndoas (Torta Caprese)

O Restaurante Italy, que tem unidades na Oscar Freire e no shopping SP Market, resolveu compartilhar uma de suas mais deliciosas sobremesas, a torta italiana de chocolate e amêndoas (Torta Caprese), assinada pela chef Soraia Barros, para que seus clientes possam aproveitar o sabor da Itália sem sair de casa. Recentemente estive no Italy por conta de uma promoção no programa de fidelidade do banco e vou escrever um post a respeito em breve.
 

Torta italiana de chocolate e amêndoas (Torta Caprese)

Confira o modo de preparo:

Ingredientes 250g de manteiga
200g de açúcar
5 ovos
250g de chocolate amargo
300g de farinha de amêndoas

Modo de preparo
- Bata a manteiga com 100g de açúcar;
- Em seguida, acrescente as gemas, uma a uma, ainda batendo;
- Acrescente o chocolate, já derretido em banho maria;
- Acrescente a farinha de amêndoas;
- Bata as claras em neve; quando começarem a montar, acrescente o restante do açúcar (100g) e continue batendo até firmar;
- Incorpore delicadamente à mistura de amêndoas;
- Disponha a massa em uma assadeira de 27,5 cm de diâmetro por 5 cm de altura, untada e com papel manteiga;
- Asse no forno pré-aquecido a 170ºC por 40 minutos ou até atingir a coloração desejada.

Rendimento: 16 pedaços.

Oito dicas para acertar na hora de escolher o seu perfume


Comprar um perfume pode ser uma delícia e ao mesmo tempo um desafio. As alternativas são inúmeras e é muito fácil se confundir depois da quarta ou quinta prova (especialmente depois de provar e provar). Pensando nisso, Alessandra Tucci, fundadora da Perfumaria Paralela, um centro de negócios e escola do perfume, preparou 10 dicas valiosas para aproveitar a experiência de compra sem errar. 
Para começar, antes mesmo de ir à loja, Alessandra sugere que sejam dedicados alguns minutos para pensar sobre os perfumes que já usou, avaliando se eles têm alguma característica em comum. O objetivo é entender o seu estilo para perfumes, pois todos nós temos um ou mais de um estilo - e vale muito a pena descobrir os seus o quanto antes (eu gosto de florais e cítricos, mas nada exageradamente doce). 

Além disso, perceba o seu momento atual com relação aos perfumes. Está feliz com as suas escolhas e deseja se manter nesse caminho? Ou está em fase de transição, querendo mudar o estilo?

É comum, de tempos em tempos, mudarmos nossas preferências. Afinal, a maturidade, as experiências vividas ao longo dos anos influenciam no gosto pessoal. Portanto, se você sempre preferiu os frescos, leves, vibrantes com cheirinhos de pomar e jardins, pode ser que ao longo do tempo você comece a apreciar um toque mais envolvente, uma madeira mais marcante. Fique atenta e abrace a mudança!

Agora, confira abaixo 8 dicas para acertar na hora da compra do seu próximo perfume:

1- Informe-se. Hoje existem inúmeras fontes de informação sobre perfumes: cursos, blogs, revistas. Cerque-se de fontes confiáveis antes de enfrentar a batalha das prateleiras e seja protagonista na escolha. Uma pista importante que você pode dar para a vendedora, seja na loja ou com a revendedora de perfumes porta a porta, é se você tem algum ingrediente de sua preferência.

2- Muitos lugares oferecem “mapas olfativos”, uma espécie de tabela que classifica e agrupa os perfumes de acordo com o estilo olfativo. Diga se você gosta de perfumes cítricos, florais, amadeirados, frutais, doces. Essas pistas ajudam a encontrar o território de sua preferência.
 
3- Não se deixe levar experimentando aleatoriamente muitos perfumes, pois o olfato começa a cansar depois do quarto ou quinto perfume. Por isso, poupe seu nariz para aqueles produtos que tem mais a ver com o que você está procurando. O ideal é provar, no máximo, até cinco perfumes.

4- Prefira sentir os perfumes naqueles papeizinhos especiais chamados de fitas olfativas.Sinta um perfume por vez e espere alguns minutos entre um e outro para não se confundir. Se possível, marque o nome do perfume nas fitas e continue sentindo a evolução dos perfumes por alguns minutos;

5- Não compre pela primeira impressão. Perfumes evoluem ao longo dos minutos e horas. Sinta-os por mais tempo para ter certeza da sua escolha.

6- Seu olfato está cansado? Não use os grãos do café! Ao contrário do que se pensa, eles são mais uma interferência no seu olfato e vão atrapalhar o seu processo de escolha. Para descansar o nariz, prefira sentir o cheiro da própria pele (desde que esteja sem perfume) ou mesmo assoar o nariz com um lencinho. Se o cansaço for muito, é hora de um intervalo.

7- Ficou em dúvida entre dois ou três produtos? É hora de sentir na sua pele, borrife uma única vez cada um deles em partes especificas dos braços, dando distância suficiente para não se confundir.

8- Se você estiver procurando um perfume para dar de presente, use a mesma lógica, pense no estilo da pessoa, no que ela usa e gosta, para aumentar as suas chances de acerto.

Sobre Alessandra Tucci e a Perfumaria Paralela

Administradora e especialista em fragrâncias, com 20 anos de atuação. Além de Avaliadora Olfativa, atuou com Mestres Perfumistas da perfumaria internacional e nacional. Têm participado de inúmeros projetos em perfumaria no Brasil, Argentina, Peru, Colômbia, México, Paris e Nova Iorque. Ocupou posições de Diretoria na América Latina em algumas das maiores Casas de Fragrâncias do mundo e hoje é sócia-fundadora da Perfumaria Paralela, empresa de inovação e estratégia em perfumaria que detém a licença exclusiva da Escola Francesa – Cinquième Sens no Brasil. O objetivo dessa parceria é trabalhar para disseminar a Cultura da Perfumaria, por meio de cursos, palestras e workshops. Alessandra percebeu que o conhecimento sobre perfumes e a inovação na categoria era um desafio crescente apesar da importância do mercado brasileiro no cenário global e da paixão dos brasileiros por esse tipo de produto. Para preencher essa lacuna, integrou suas habilidades técnicas e estratégicas adquiridas ao longo dos seus 20 anos de experiência à uma ampla rede mundial de parceiros e contatos no setor e desenhou a Paralela, para atuar em parceria com empresas que queiram participar desse mercado de forma relevante e diferenciada.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Saúde: Quando a mulher perde o desejo - o que fazer?

O Cresex (Centro de Referência e Especialização em Sexologia), do Hospital Pérola Byington, de São Paulo, revela que mais de 48% das mulheres atendidas ali se queixam de falta ou diminuição do desejo sexual. Esse problema pode ter origem orgânica, mas a maioria dos casos é mesmo emocional e pode ser resolvido.

“Entre os fatores físicos da falta de desejo podemos citar os períodos fisiológicos da gestação, puerpério e amamentação. Após o parto, a mulher leva ao menos 40 dias para voltar à rotina sexual, necessitando readaptar o corpo às modificações sofridas durante à gestação e ao parto. A prolactina, hormônio da amamentação, inibe o desejo e afeta a lubrificação feminina. Outra época mais complicada é o período da menopausa, cujas alterações hormonais determinam interferências na resposta sexual natural, desde o desejo sexual (que pode ser reduzido), até a própria lubrificação, sensibilidade do clítoris e intensidade do orgasmo”, explica a ginecologista e obstetra Flávia Fairbanks, membro da SOGESP (Associação de Ginecologia e Obstetrícia de São Paulo) e coordenadora da Ginecologia do ProSex do HCFMUSP.

A médica cita ainda algumas doenças que podem interferir no desejo. “Diabetes, hipertensão e hipotireoidismo podem reduzir a libido, assim como os maus hábitos, sedentarismo, alcoolismo, uso de drogas e medicamentos psiquiátricos como antidepressivos e ansiolíticos. Todos dificultam a libido.”

A perda ou redução do desejo sexual também pode ser psicológica e estar ligada a problemas como cansaço, estresse, depressão, baixa autoestima e insatisfação com o corpo. “São questões que tiram o foco da mulher em relação ao desejo sexual e diminuem a libido. No relacionamento, a infidelidade, brigas e discussões com o parceiro, e outros problemas também afetam negativamente a sexualidade.”

O tratamento depende da causa e cada paciente precisa ser diagnosticada individualmente: “O médico deve tratar as questões médicas gerais e ginecológicas, além de resolver os fatores clínicos e fisiológicos, mas é preciso inserir a terapia sexual. Aliás, o tratamento adequado requer, muitas vezes, uma equipe multidisciplinar com participação do ginecologista, psiquiatra, fisioterapeuta e psicólogo.”, informa Flávia.

Vale ressaltar que, se os fatores são hormonais, as terapias de reposição poderão trazer benefícios. Quando emocionais ou psicológicos, o acompanhamento com psicólogos e terapeutas darão o suporte. “No caso de mulheres casadas ou que possuam um parceiro fixo, é importante o diálogo e a sinceridade”, adverte. “Muitos relacionamentos se fortalecem quando ambos os membros se envolvem no tratamento”.


Se a mulher não está satisfeita com a aparência de sua região íntima, a plástica genital poderá ajudar quando a estética afeta o psicológico.

“Algumas queixas como vagina larga e crescimento excessivo dos pequenos lábios podem ser melhoradas com a cirurgia plástica genital, mas sempre temos uma conjunção de fatores envolvidos nas questões sexuais”, garante Flávia.

A perda do desejo pode causar sofrimento à mulher e ainda interferir na relação entre os parceiros. “Relacionamentos podem ruir pela indisponibilidade da parceira para o ato sexual, afetando a autoestima das mulheres e dos parceiros que se sentirão indesejados. Perder a qualidade de vida sexual pode afetar muito o dia a dia das mulheres, sejam casadas ou não. Manter-se sexualmente bem controla o estresse e pode fortalecer a autoimagem das mulheres em geral”, conclui.