quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Casa: Quais as diferenças do porcelanato para um piso cerâmico comum?

Tenho frequentado casas de material de construção, comprado revestimentos e outras coisinhas para a mini-reforma no apartamento. Chamou a minha atenção, a proliferação de marcas que dizem oferecer "porcelanato" e com preços mais acessíveis. Ficava me perguntando: será que isso é porcelanato mesmo? Por isso, decidi escrever um post para explicar quais as diferenças do porcelanato em comparação com um piso cerâmico comum e consultei a Cecrisa, uma empresa conceituada no segmento e fabricante dos produtos da marca Portinari (veja post que já publiquei aqui). Vou tentar fugir do vocabulário técnico e explicar em detalhes, é claro! Quem respondeu as perguntas que enviei foi Mauricio Marques Resende, gerente de aplicações especiais da Cecrisa, que foi muito atencioso.   

Conforme explicou o Maurício, a principal diferença entre o porcelanato e um piso cerâmico comum é a absorção de água. "O porcelanato é caracterizado pela sua baixa absorção de água, resultando em um produto de baixa porosidade, e, consequentemente, de maior precisão dimensional, elevada resistência mecânica e com maior resistência ao ataque químico, ao choque térmico e ao congelamento. Portanto, é um produto que não quebra com facilidade, possui maior resistência ao ataque por produtos de limpeza e produtos químicos, além de maior capacidade de suporte de cargas". 

Para ter estas características, existem também diferenciais na produção do porcelanato. São eles:

- maior temperatura de queima;
- maior tempo de queima (forno);
- maior tempo de secagem (depois que sai do forno);
- necessidade de uma prensa com maior capacidade de pressão (para dar forma às peças);
- maior moagem das matérias-primas (maior tempo de atomização, para criar partículas pequenas)
- utilização de diferentes matérias-primas de alta qualidade e que se fundem melhor para garantir a estética do porcelanato

A maior temperatura de queima e o maior tempo de forno são os principais responsáveis pelo maior custo operacional da produção do porcelanato. Ou seja, estes fatores interferem no preço final do porcelanato lá na loja. "O custo de produção de um porcelanato é elevado em função da necessidade de utilização de matérias-primas mais nobres e um processo produtivo mais elaborado de produção", explicou Maurício. 


Como assentar o porcelanato


Como o porcelanato possui baixa porosidade (baixa absorção de água), é necessário que seja usado um cimento/argamassa específico para instalação das peças. A colagem (aderência da peça ao piso) é realizada por ação química, ou seja, deve ser usada uma argamassa com aditivos químicos, um produto que age como se tivéssemos colando vidro com superbonder no chão.

Infelizmente, as características técnicas do porcelanato só podem ser comprovadas mediante os ensaios laboratoriais, sendo os mais importantes: absorção de água, módulo de ruptura, resistência ao manchamento.

A dica na hora de comprar o porcelanato para evitar comprar "gato por lebre" é exigir da loja um laudo comprovando, pelo menos, a absorção de água do produto, e se as demais características técnicas (resistência à flexão, propriedades dimensionais, resistência ao manchamento e a abrasão) atendem as especificações da norma brasileira de porcelanato – NBR 15463/13. Acredito que podemos ler também as informações na caixa do produto e ligar para o fabricante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...