sábado, 23 de agosto de 2014

Crônica: Homem de preto


No dia em que o vi pela primeira vez, ele estava na Avenida Faria Lima, em Pinheiros, por volta das 18h15 de uma segunda-feira de outono. O céu escurecia e as luzes das ruas estavam acesas, trazendo uma outra luminosidade ao caminho dos transeuntes. Com cerca de 1,72, o homem se vestia todo de preto: calça de sarja, camiseta, sapatos e um blazer de veludo. Uma bolsa estilo carteiro pendurada no ombro. Andava apressadamente, até que parou no farol para esperar a liberação da sua passagem. Inquieto, olhou o relógio. Provavelmente, estava atrasado para algum compromisso naquela noite. Será que ia encontrar alguma mulher ou estava preocupado apenas com o horário do ônibus?

Parei bem perto dele naquela esquina. Senti um cheiro intenso de perfume masculino – notas verdes e refrescantes. Uma fragrância que agradou ao meu olfato. Mas, nem deu tempo de aproveitar aquele aroma. O sinal fechou para os carros e ele saiu rapidamente. Dizer que o perdi de vista na multidão é um lugar comum. Mas, foi isso mesmo que aconteceu. Minhas pernas curtas – sou baixinha – e o salto me impediam de acelerar o passo. 

Eu estava a caminho de um curso nas redondezas, que começaria naquele dia, numa escola há poucos quarteirões na rua Teodoro Sampaio. Estava ansiosa e, em pouco tempo, a lembrança daquele homem desapareceu da minha mente.

Cheguei 10 minutos antes ao local da aula. Mas, para minha surpresa, o meu homem de preto estava lá. O destino estava nos aproximando? Vai saber! Na realidade, o rapaz participaria de outro curso no local. Teríamos uma semana convivendo no mesmo espaço. Abri um sorriso diante dos fatos e aguardei. Cada um foi para sua sala e naquela noite não mais cruzei com ele pelos corredores.

No dia seguinte, às 19h30 eu já estava na escola quando ele chegou depois de mim. Para minha surpresa, novamente vestido de preto mas, desta vez, sem o blazer. A peça tinha dado lugar a uma camisa de algodão. Era magro, pele levemente morena, cabelos castanhos claros.

Cansada, eu só pensava em me sentar.  Apesar disso, tive tempo de sorrir para o desconhecido, que balançou a cabeça de volta e disse um boa noite. Como a escola era pequena, o intervalo para o café acontecia em horários diferentes entre as turmas. Assim, não tive oportunidade de vê-lo mais uma vez. É o que chamamos de paciência.

A noite de quarta chegou, mas nem sombra dele pelo local. O que teria acontecido? Interessante como a nossa mente já começa a fantasiar e a criar histórias. Estaria o desconhecido em algum outro compromisso inadiável? Estaria tomando uma cerveja em algum bar na Vila Madalena no happy hour? O certo, é que nunca mais o vi na escola. Fiquei sem saber seu nome ou qualquer outro detalhe de sua vida. Ele era apenas um homem de preto, que se evanesceu como uma estrela cadente. Você pensou que nasceria aqui uma história de amor? Que talvez eu tivesse encontrado um galã e provável protagonista da minha versão de 50 tons de cinza? 

Então, é melhor já dizer que os personagens desta crônica são ficcionais. Qualquer semelhança com alguém ou um fato real, é mera coincidência. O homem que protagoniza esta narrativa poderia ser encontrado em qualquer esquina, num bar, num banco, no Mc Donald´s da Avenida Paulista ou no metrô. Quem sabe o encontro novamente e dou andamento a esta narrativa com novos capítulos?
                      


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...