segunda-feira, 17 de março de 2014

Gravidez: QUAL A FUNÇÃO DO LÍQUIDO AMNIÓTICO?


Muito se fala, durante a gestação, sobre o líquido amniótico. De forma bastante simples, sabe-se que ele tem papel fundamental durante a gravidez por proporcionar diversos benefícios fetais. Mas, quais seriam estes benefícios? Para que serve, de fato, este líquido? Como é produzido?


Ele é um líquido claro, ligeiramente amarelado, contido no saco amniótico, que envolve e suporta o desenvolvimento do feto durante a gravidez. Suas principais funções são:  proteger o bebê de traumatismos sofridos pela mãe, evitar infecções, manter uma temperatura constante dentro do útero, além de ajudar a desenvolver o sistema urinário, digestivo, músculo-esquelético e pulmonar do feto. “No ventre materno, o bebê flutua e movimenta-se livremente no líquido amniótico, o que promove o correto desenvolvimento dos seus órgãos e estruturas vitais e ainda o mantém seguro e quente”, complementa a ginecologista especialista em Reprodução Humana da Criogênesis, Dra. Alessandra de Souza Barbeiro Munhoz.

Durante os primeiros quatro meses da gravidez, o líquido amniótico é produzido pela placenta e pelas membranas que envolvem a bolsa. Depois disso, é formado também pelas excreções dos rins do bebê, que eliminam sódio e concentram a ureia, modificando assim a sua composição química. O líquido amniótico ingerido pelo feto é reabsorvido no intestino dele e chega até os rins, onde é filtrado e novamente excretado para a bolsa amniótica.

Quanto ao volume do líquido, a ginecologista explica que ele vai aumentando progressivamente até 34ª semana de gestação, quando atinge o ponto máximo, de 800 a 1000 ml. Após a 36ª semana o volume declina progressivamente, até o final da gravidez.

A especialista ainda acrescenta que, tendo em vista a sua importância, a diminuição de líquido amniótico (oligoâmnio), com valores inferiores a 300 ou 400 ml até 34ª semana, pode trazer consequências inconvenientes para a mãe ou para o feto. Isto porque, há maior possibilidade de compressão do cordão umbilical, com consequente desaceleração da frequência cardíaca fetal e o aparecimento de sinais de sofrimento fetal, com maior risco de morte intrauterina. “Dentre as principais causas da redução do líquido estão, a desidratação materna, a ruptura parcial da bolsa amniótica, problemas na placenta, malformações interferindo na produção de urina pelo bebê, ou a síndrome da transfusão feto-fetal, que é quando a mulher tem uma gravidez gemelar e um dos bebês recebe menos sangue e nutrientes que o outro, ficando com menos líquido amniótico”, esclarece Dra. Alessandra.


Por outro lado, a quantidade excessiva de líquido amniótico (polidrâmnio) também requer atenção, pois esta condição pode indicar presença de anomalias congênitas ou diabetes gestacional. “O excesso de líquido amniótico pode distender o útero além do normal, levando a complicações como trabalho de parto prematuro, ruptura do saco amniótico ou bolsa das águas, descolamento da placenta, dificuldades para a realização de parto normal, sendo necessária cesariana, e até hemorragia pós-parto. Por isso, a quantidade anormal de líquido amniótico exige um cuidado especial pelos profissionais de saúde, durante o pré-natal, a fim de garantirem a segurança da mamãe e do bebê”, finaliza a ginecologista.

Gostou? Confira outras matérias sobre gravidez neste blog: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...